sábado, 20 de junho de 2015

AS EQUIPAS DE NOSSA SENHORA na Diocese de Setúbal




1.       O nascimento do Movimento das Equipas de Nossa Senhora 

As Equipas de Nossa Senhora (ENS) são um movimento de espiritualidade conjugal que tem como objectivo ajudar os casais a viver o Matrimónio, dando testemunho da Graça do sacramento na sua vida. Trata-se de um movimento reconhecido pela Santa Sé como uma Associação Privada Internacional de Fiéis de Direito Pontifício. 

Nas palavras do Pe Henri Caffarel, sacerdote fundador das ENS, "As Equipas de Nossa Senhora têm por objectivo essencial ajudar os casais a caminhar para a santidade. Nem mais nem menos."
Cada uma das equipas forma-se de modo livre e é constituída por um número indicativo de 5 a 7 casais e um Sacerdote - Conselheiro Espiritual.
O ponto “alto” da vida da equipa em cada mês é o dia da reunião. Na reunião de Equipa, os casais rezam juntos, meditam a Palavra de Deus, partilham a vida e procuram conhecer e amar cada vez mais Jesus e a Sua Igreja.
O movimento nasceu de forma muito simples: em 1938, em Paris, um jovem padre na Paróquia de Notre Damme, Henri Caffarel, recebeu a visita de uma senhora que conversou com ele sobre a sua vida espiritual. Alguns dias depois, regressou acompanhada do marido. Posteriormente, este casal apresentou o Padre Caffarel a outros três casais.
Estes quatro jovens casais queriam viver o seu amor à luz da Fé. Pediram, então, ao Padre Henri Caffarel que os guiasse nesta procura.
"Façamos o caminho juntos" - respondeu-lhes o Padre Caffarel.
A semente estava lançada. A primeira reunião realizou-se em Paris, a 25 de Fevereiro de 1939 e foi seguida de muitas outras.
A criação de um movimento de casais, com o desejo de santidade no e pelo sacramento do Matrimónio foi um grande acontecimento, à época, na vida da Igreja. As Equipas de Nossa Senhora vieram propor a espiritualidade conjugal e um método para uma vida em Equipa, em "Comunidade Cristã de Casais", o que constituiu uma surpresa, sendo hoje entendido como um carisma, um dom dado por Deus à sua Igreja.

As equipas confiam-se à protecção de Nossa Senhora, Mãe e modelo na vida simples de Nazaré. Daí o nome escolhido para o Movimento.  
 No dia 26 de Julho de 2002, festa de Santa Ana e de S. Joaquim, pais da Virgem Maria, o Conselho Pontifício para os Leigos reconheceu definitivamente as Equipas de Nossa Senhora como Movimento de Fiéis Laicos (Decreto de Reconhecimento).


2.       O início das Equipas de Nossa Senhora em Portugal
De acordo com os últimos dados disponíveis:
As ENS estão implantadas em todos os continentes, num total de mais de 120.000 membros
A nível mundial, o português é a língua mais falada no movimento.
O espírito das ENS chegou a Portugal em 1955 com a criação da equipa Lisboa 1, que viria a ser reconhecida em 1959. O reconhecimento oficial do Movimento data de 1957, com o reconhecimento da equipa Porto 1.
 Uma ENS pode constituir-se de vários modos: através de um sacerdote que, conhecendo vários casais, os desafia para constituírem uma equipa, um ou alguns casais que, desejando pertencer às ENS, desafiam outros e contactam um sacerdote ou o Movimento, …
         
      
        Reunidos que estejam os casais com este desejo comum e encontrado um sacerdote que aceite integrar a equipa como Conselheiro Espiritual, inicia-se a fase denominada de pilotagem, que dura cerca de um ano e em que um casal já pertencente às ENS e com formação para o efeito, está presente nas reuniões mensais da nova equipa, ajudando-se mutuamente a melhor conhecerem e amarem o método das ENS.       Terminada esta fase, cada equipa, de uma forma simples, manifesta a sua vontade de integrar o movimento, realizando o seu Compromisso.
Actualmente, a nível nacional, as ENS contam mais de 13.000 membros, entre casais, viúvas e viúvos e sacerdotes conselheiros espirituais.


3.       As Equipas de Nossa Senhora na Diocese de Setúbal

3.1 O início do Movimento na diocese
Logo em 1956, por iniciativa de um grupo de casais de Almada, se constituiu uma equipa que foi pilotada por um casal da Lisboa 1 e marcou o início da expansão do Movimento na Margem Sul do Tejo.
Em Julho de 1959 realizaram o seu Compromisso na Igreja de Cacilhas.
Todos os casais da equipa Almada 1 tomaram parte activa na formação e consolidação do Sector de Setúbal, o qual iniciou actividade em 1964 e oficializou a sua constituição em 1967. Os primeiros responsáveis de Sector foram a Soledade e o Álvaro Rodrigues, da Almada 1. Existiam, na altura, seis equipas: Almada 1 e 2, Barreiro 1 e 2 e em formação Setúbal 1 e 2.
No Encontro Internacional de Lourdes, em 1965, participaram já os casais Soledade e Álvaro Rodrigues e Natércia e Manuel Valente, da Almada 1.



3.2   A presença do Movimento na diocese
Segundo consta da Carta Mensal de Novembro de 1972 – documento que surge em 1947 e que passa a ser publicado com periodicidade regular, resumindo a vida do Movimento no respectivo período e a metodologia -, nessa data eram responsáveis do Sector de Setúbal o casal Teresa e Horácio José Condesso, da Almada 2, o Conselheiro Espiritual da Equipa de Sector era o Padre Carlos Pessoa Pais – o qual tinha como equipa base a Lisboa 53 - e nessa data encontravam-se em actividade no Sector as seguintes equipas: Setúbal 2, 3, 4, 6 e 7, Almada 1 e 2, Barreiro 1 e 3, Montijo 1 e 2 e a primeira equipa que se denominou Seixal 1 – esta deixou de funcionar em 1980 e em 2000 constituiu-se uma outra equipa que adoptou esta mesma denominação.   
O Movimento foi-se expandido e ao longo dos anos foram surgindo equipas em Alcácer do Sal, em Alcochete, em Almada, na Amora, em Azeitão, no Barreiro, em Corroios, no Feijó, em Fernão Ferro, no Miratejo, na Moita, no Monte de Caparica, no Montijo, em Paio Pires, em Pinhal de Frades, no Pinhal Novo, na Quinta do Anjo, na Quinta do Conde, em Santiago do Cacém, em Santo André, em Sarilhos Grandes e no Seixal.
Algumas, entretanto, por razões várias, deixaram de funcionar.



3.4. As equipas na actualidade    
Actualmente o Sector de Setúbal pertence à Região Lisboa 1, Província Sul, existindo em funcionamento 19  Equipas, Almada09, Amora 03, Azeitão 01, Azeitão 02, Azeitão 03, Azeitão 04, Corroios 01, Fernão Ferro 01, Miratejo 01, Montijo 03, Montijo 04, Montijo 07, Santiago do Cacém 01, Seixal 01, Seixal 02, Seixal 03 , Seixal 04, Setúbal 08.
As raízes fecundas da Almada 1 e o amor dos seus membros ao Movimento permitiram que a mesma, não obstante a presença de alguns dos seus membros já junto do Pai, se mantivesse ainda na actualidade com reuniões, com a regularidade possível. 
Encontram-se em pilotagem 5 outras Equipas: Feijó 1, Montijo 8, Pinhal de Frades 1, Montijo 09 e Montijo 10.


4.       Ser Testemunhas do Amor de Deus no Mundo 

Damos Graças a Deus pela inspiração concedida ao Pe Henri Caffarel, pela sua atenção à realidade dos casais que desejavam viver com verdade o Matrimónio e pela sua fidelidade à Igreja.

Damos Graças igualmente por tantos padres que, reconhecendo a beleza das ENS, se têm disponibilizado para, apesar dos muitos afazeres, assumir a missão de Conselheiros Espiritais. A presença e a amizade de um sacerdote que a experiência de ENS permite é, na vida da família, um dos maiores dons que recebemos do Movimento.  

Agradecemos também pelos casais que, ao longo dos anos, de forma generosa, foram aceitando tarefas no Movimento e muito concretamente no Sector de Setúbal e aqui temos que salientar a enorme generosidade e disponibilidade para servir dos casais da Almada 1. Foram a Natércia e o Manuel Valente que, passados cerca de 40 anos de vida em equipa, em 2000 e num momento de dificuldade para o Sector, voltaram a aceitar a missão de ser pilotos da “nova” equipa Seixal 1 que então se constituiu. Temos igualmente que referir outra grande Graça das ENS – o sentido de missão -, que aqui em Setúbal se manifestou, de forma muito concreta, quando, em meados de 2000, o casal Paula e António Pimentel, que embora fazendo parte do Sector de Cascais, aceitou, durante algum tempo, assumir a responsabilidade do Sector de Setúbal para ajudar na reorganização do mesmo.


Pedimos a Graça da fidelidade ao carisma das ENS. quer na vida de casal, na família, na Igreja, para que possamos, conforme o pedido de São João Paulo II, no Discurso aos Responsáveis Regionais das Equipas de Nossa Senhora, proferido em 20 de Janeiro de 2003, “… testemunhar incessantemente de maneira explícita a grandeza e a bondade do amor humano, do matrimónio e da família”. 

Manuela e Paulo Lourenço
(equipa seixal01)

1 comentário:

  1. Também está em pilotagem a equipa Monte de Caparica 1 :)

    ResponderEliminar